Saiba como é um pneu Michelin por dentro.

  • Conheça seu Pneu

    Tudo que você quer saber sobre os pneus MICHELIN, em um só lugar.

  • Segurança e Manutenção

    Dicas essenciais para uma direção segura e a maior durabilidade dos pneus.

  • Tecnologia e Inovação

    Conheça as tecnologias exclusivas e as pesquisas revolucionárias MICHELIN.

  • Promoção

    Fique por dentro das promoções e veja quem já faturou prêmios!

Saiba como é um pneu MICHELIN por dentro

Para proporcionar segurança e estabilidade ao seu veículo, cada centímetro do pneu Michelin é composto por estruturas e materiais amplamente pesquisados e planejados em laboratório.


1. Revestimento Interno

Uma camada de borracha sintética hermética ao ar. Ela se encontra no interior do pneu e substitui a antiga câmara de ar.

2. Carcaça

A carcaça é uma estrutura flexível formada por fios têxteis embutidos em borracha, que formam arcos retos e se enrolam no aro do talão do pneu. Sobre a carcaça se colocam as demais lonas e capas de borracha que formam o pneu.

Suas funções são:

  • Suportar a carga e a velocidade com ajuda da pressão;
  • Participar na estabilidade e no conforto;
  • Participar no rendimento e na eficiência energética do pneu.

Numa carcaça de pneu de carro, existem 1400 cabos e cada um pode resistir a uma força de 15 kg.

3. Zona Baixa

Seu papel é transmitir a potência do motor do veículo na aceleração e na frenagem, desde a roda até a área de contato com o solo.

4. Aro do Talão

É a parte do pneu que o conecta e se ajusta à roda. O aro do talão é formado por um cabo de aço inextensível de onde se enrola a lona da carcaça.

Suas funções são:

  • Fixar o pneu na roda;
  • Vedar o pneu;
  • Transmitir a potência do motor do veículo nos esforços de aceleração e frenagem.

O aro pode suportar até 1800 kg sem risco de ruptura.

5. Flanco Externo

O flanco é a região compreendida entre a banda de rodagem e os talões do pneu. Ele representa a altura do pneu e suas funções são:

  • Suportar a carga;
  • Suportar as constantes flexões mecânicas;
  • Oferecer resistência às agressões;
  • Participar na estabilidade e no conforto.

As informações sobre as características do pneu podem ser encontradas no flanco externo.

6. Lonas de topo

O revestimento, feito de cordas de aço conectadas à borracha, posicionam-se sobre a carcaça formando um cinturão que garante a resistência mecânica do pneu à velocidade e à força centrifuga.

As lonas que formam o cinturão se cruzam obliquamente e se posicionam uma em cima da outra. O cruzamento de seus fios com os da carcaça formam triângulos indeformáveis, que garantem a rigidez do bloco de topo.

Essas capas possuem um papel muito complexo, pois devem ser bastante rígidas em dois aspectos:

  • No sentido da circunferência do pneu, para não sofrerem deformação causada pela força centrífuga e para controlar perfeitamente o diâmetro do pneu, independentemente das condições de uso;
  • No sentido transversal, para resistir aos esforços de deriva. Mas, ao mesmo tempo, também precisam ser muito flexíveis no sentido vertical para “absorver os obstáculos”.

7. Lona Zero Graus

As Lonas Zero Graus são revestidas de borracha e têm como principal função ajudar a manter a forma original do pneu quando o veículo está rodando em alta velocidade, proporcionando assim, maior equilíbrio do veículo. Elas também proporcionam maior resistência a cortes, choques e perfurações na banda de rodagem, além de promoverem um desgaste mais uniforme do pneu. São chamadas assim porque o sentido destas lonas é o mesmo sentido de rodagem dos pneus.

O revestimento, feito de cordas de aço conectadas à borracha, posicionam-se sobre a carcaça formando um cinturão que garante a resistência mecânica do pneu à velocidade e à força centrifuga.

As lonas que formam o cinturão se cruzam obliquamente e se posicionam uma em cima da outra. O cruzamento de seus fios com os da carcaça formam triângulos indeformáveis, que garantem a rigidez do bloco de topo.

Essas capas possuem um papel muito complexo, pois devem ser bastante rígidas em dois aspectos:

  • No sentido da circunferência do pneu, para não sofrerem deformação causada pela força centrífuga e para controlar perfeitamente o diâmetro do pneu, independentemente das condições de uso;
  • No sentido transversal, para resistir aos esforços de deriva. Mas, ao mesmo tempo, também precisam ser muito flexíveis no sentido vertical para “absorver os obstáculos”.

8. Banda de Rodagem

A parte do pneu que fica em contato direto com o solo é formada por uma camada de borracha com uma série de ranhuras que dão origem ao desenho da escultura do pneu.

Suas funções são:

  • Dar aderência em solo seco e molhado;
  • Dar durabilidade e resistência ao desgaste e às agressões;
  • Participar na baixa resistência ao rolamento;
  • Participar no conforto acústico (sonoridade em rodagem);
  • Proporcionar maior controle do veículo e conforto ao dirigir.